Páginas

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

SOBRE "EU TE AMO"


Num mundo onde o “eu te amo” foi banalizado. Chegamos a tomar café da manhã espirrando um “eu te amo”. Meio que por acaso. Não era bem a intenção. Saiu. Não foi isso que eu quis dizer. Como assim não teve a intenção?
Eu perdida em toda a banalização que o “eu te amo” se tornou, não consigo dizê-lo. As pessoas que amo parecem ter que sentir o meu amor assim sem eu precisar dizer. Alguns deles são inclusive meus amores mais seguros, aqueles que não preciso reafirmar todo dia que amo a pessoa. Pois apenas no olhar a gente sabe. A gente sabe.
Mas sempre há aquelas pessoas que a gente sente que elas não sabem o quanto são importantes pra nós e a gente simplesmente não consegue fazê-las perceber isso. Elas são parte de nós, tem nosso apreço e sentimento mais profundo e todo nosso desconcerto faz com que ela não entenda as vestes do nosso amor. Nem sempre podemos nos fazer compreender por inteiro. Pois é, mas é desse tipo de “eu te amo” calado que me incomoda. Dessas entrelinhas indecifráveis escritas em braile. É preciso contato. Mais contato pra sentir. Por mais importante que seja pra mim ainda fica um abismo. A ponte do “eu te amo” ás vezes é estreita. Nem sempre estamos preparados pra atravessar. Com cada um tem um tempo. Um momento. E mesmo se não digo não quer dizer que eu não sinto. Ás vezes tenho medo do silêncio ou de respostas automáticas e vazias que minha fala pode causar no outro lado.


 
E "eu te amo" era uma farpa que não se podia tirar com uma pinça.
(Clarice Lispector)

7 comentários:

Gisele disse...

Fato que as pessoas tornaram um sentimento tão singular como uma pet que se joga~no lixo e você sabe que pode adquirir uma nova no supermercado.
Porém o tempo me ensinou que nunca é demais dizer eu te amo mais de uma vez no dia. Porque se você ama verdadeiramente uma pessoa, por mais que você no dia dia, demonstre isso de alguma forma, falar vai fazer com que ela se sinta melhor.
E caso Deus resolva tirar essa pessoa que você sente grande apreço, ela vai sabendo o quanto era amado e você nao fica com aquele peso na consciencia por nunca ter deixado ela saber o quão importante era para você.

Ui me empolguei!


Beijoca!

disse...

Odeio dizer "eu te amo" por obrigação, porque não é verdadeiro. E pra mim é pior ainda quando o "eu também" se mostra uma resposta automática.

Mas acho importante falar "eu te amo" (quando verdadeiro, lógico) e ainda mais fazer "eu te amo", porque só falar é uma ilusão temporária, que acaba rapidinho. A palavra não tem a mesma força que o ato.

Bjo

Diana Valentina disse...

ave maria!
achei tão lindo que.
nem sei mais o que dizer.
só que passei muito tempo com medo de dizer eu te amo. ainda hoje não tenho muito como dizer isso, por mais que sinta tanto que escape pelos poros.
só medo do próximo machucado.
=)

Lucas Lima disse...

devíamos criar uma nova forma, nova junção de letras que digam o que a antiga frase dizia, rsrs
concordo plenamente, rs
bom fim de semana

Kika disse...

O "Eu te amo" quando é um sentimento verdadeiro, merece ser dito... Assim, simples como um "Bom dia"...
É algo tão simples, mas que reforça o qto a presença de uma pessoa faz bem para a gente.
Procuro sempre falar palavras doces para as pessoas que amo.
Pois se um dia elas partirem, saberei que partirão sabendo o quanto foram importantes na minha vida.

clarice ge disse...

Tem palavras tão bonitas, desgastadas frívolamente... Diga eu te amo! mas diga com a força do coração...
bjs

D. Q. M. disse...

Bem, a sua forma de mostrar a banalização do dizer 'eu te amo' como se fosse um espirro está entre as mais belas analogias que já tive o prazer, repito O PRAZER, de ler.

Minha admiração por seus textos nunca serão meros espirros, e sim sinceros suspiros.

Abraços sempre!