Páginas

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

SOBRE MEU EGOCENTRISMO

Impressionante que mesmo fungindo de parar pra pensar eu penso. Um bucado de coisas me seguem. Tenho sentido falta da fala. Sentido falta dos expurgos, até aqueles que dei pra parede daquela sala pouco iluminada deitada confortavelmente num divã. Falta demais. O que sobra também falta. O que me parece e sempre pareceu é que tudo diz de algo e que eu de alguma forma estou diretamente relacionado com o que se diz. Eu vejo minha implicação em tudo. Ás vezes até demais, ora também de menos. Mas fala de um peso sobrecarregado. Justificativas plausíveis dentro de lógicas aceitáveis a mim. Sempre a mim. De uma obsessão incontrolável por ver minhas digitais por onde vou. Todo vestígio e resquício me denunciando. Sim, culpada! Com cara de vítima me denuncio culpada de fatos que muitas vezes fui meramente figurante. Aceito toda e qualquer condenação de cabeça baixa. Mentira! Eu disfarço finjo que não é comigo achando que todos estão falando de mim e fingindo não saber. Assuntos que por muitas vezes não me tem como pauta. Saio assim tentando enganar o próprio engano meu.

Pintura: Gustav Klimt

6 comentários:

Srtª Elis° disse...

ahaha que coisa mais bela...
Impressionante que mesmo fungindo de parar pra pensar eu penso.... nuam tem jeito eu tb sou assim as vezes ate fugi de mim tb..mais sempre estou aqui......

muito bom vim aqui xeroo flor!

Wenndell A. Amaral disse...

Você passou um tempinho sem postar, mas agora voltou com tudo. Muito bom, muito bem. Continue escrevendo.

Kuriozza disse...

Eu sempre disse para mim mesma: o meu problema é que eu penso demais.

Queria tirar férias dos pensamentos. Dois dias já seriam suficientes.

Bjs!

Vinny disse...

Belo texto, sempre me surpreendendo com suas belas palavras. Mas dessa vez não posso elogiar muito, você já está um tanto egocêntrica, hehehe.

Um beijão.

D. Q. M. disse...

árdua tarefa. Sei bem.

Bjus.

clarice ge disse...

acho que isto é carência, necessidade que o ser tem de ser visto e reconhecido. talvez de pertencer.