Páginas

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

DE MARCAS [2]








Essa necessidade que me pedem de nomear as marcas.

As marcas por si só já são suficientemente representativas pra me fazer lembrar do que as causaram e não preciso nomeá-las além de marcas.

São marcas.

Marcam e deixamo-nos que marquem a todo momento.

Mas essa necessidade de nomear tudo que se apresenta a nós...

Eu chamo de marcas

Minhas marcas

E isso já as faz singularmente representadas enquanto tais.

Sem mais nomes

Sem mais representações

4 comentários:

Tamára Roots disse...

'direto e intenso, gosto do que tu escreve moça.
'e sim, as marcas não precisam de nomes..já carregam nos seus traços tudo que precisa ser dito ou explicado. aliás, porque ser explicado?!
paz e luz.

Xana disse...

As marcas da alma são as piores, ninguem as vê , nem lhes dão nomes, só nós mesmos as sentimos, e essas são dificeis de esquecer
gostei de te ler
tem uma boa semana

Powah Kyotto disse...

Apenas marcas. Não há como explicar, nem como apagar. Estamos vivos e isso requer e pede muitas marcas.

___

Adoro lembrar de como gosto da sua escrita. Ela marca.
:)

Priscila Rôde disse...

Amo e odeio todas!