Páginas

segunda-feira, 25 de maio de 2009

DE QUANDO ME CALO [2]

Foto: Gaëna da Sylva

Há tempos percebo que há coisas em mim que precisam ganhar formas. Permaneço muda diante desses fatos. Tenho consciência do quanto me é importante delimitar o caos e salvar alguma parte daquilo que em mim ainda se organiza. E nessa desorganização não sei que parte da minha consciência me escapole e me impede de falar. Até a tentativa de escrever sobre me é resistente, pois na escrita esse fato se mostra ainda mais difícil. Na fala uso palavras e podem parecer desconexas, agora na escrita tem que haver algum tipo de encaixe e concordância. Talvez algum dia escreva na linearidade de meu pensamento e colocando no papel tente decifrar meus códigos. Aqueles que fiz pra me esconder de mim. A vantagem da escrita é que não precisa de alguém para isso, já na fala você precisa de alguém disposto a ouvir. A não ser que queira praticar sua insanidade. Pois então eu tenho quem me escute e no entanto ainda procuro entender o que me impede de falar. O medo talvez das palavras que use serem ridículas a ponto de diminuírem a intensidade das coisas que se passam em mim. E talvez o uso da fala seja importante pra isso, para perceber o quão de fato, talvez, as coisas sejam ridículas e como eu tomo tanta importância a respeito delas. Mais ainda tenho medo do quanto as coisas que eu sinto podem se tornar reais. O ato da palavra posta pra fora tira tudo o que penso do campo do imaginário e por mais que ali haja dor, o peso que o real pode trazer com ele me faz pensar se estou preparada. Penso e sinto a respeito disso. E eu quero falar de verdade, eu só não sei o começo de tudo. E refazer o meu começo ainda me é difícil.

-=Þëqµëñä Þö놡zä=-

4 comentários:

Priscilla disse...

Verbalizar é sempre complicado...
As vezes tb sinto isso..
Escrever pode ser um escape...
Mas nem por isso parece ser facil, como vc mesmo disse^^

Verificação de palavras: cural

Oo'
hahahahaha

(marta selva) disse...

queria tb que minha voz tivesse força igual a imensa dor que aperta por dentro..
queria acordar nao so a minha casa..mas o mundo todo com meu grito.


..tas escrevendo cada dia mais lindo ;*

Lucas disse...

Vi alguns comentários que citam semelhança de teus escritos com os da Clarice, e venho concordar, rsrs.
Boa semana.

Joseania disse...

Quando leio tais palavras é como se eu fosse transportada para um outro mundo, de sonhos e devaneios. Mas quando tento escrever algo nada flui. Puxo daqui, puxo dali, Cutuco a dor, ate que consigo tirar algo, algo chamado "nada".

Amo tudo isso aqui!
Bjs na sua alma!

Josy...

joseaniamesquita@hotmail.com