Páginas

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Afetos Fragmentados


"Sim, é claro
O universo é negro, sobretudo de noite.
Mas eu sou como toda a gente,
Não tenho eu dores de dentes nem calos, e as outras dores passam.
Com as outras dores fazem-se versos.
Com as que doem, irrita-se.
A constituição íntima da poesia
Ajuda muito...
(Como analgésico serve para as dores da alma, que são fracas...)"

(Álvaro de Campos)

5 comentários:

Jéssica Trabuco disse...

"Com as outras dores fazem-se versos"

Já viu poesia sem um pouco de dor? E aqueela música linda que a gente ama...
A dor faz parte do crescimento e temos de tentar compreender isso.
Obrigada pro linkar-me =)

Ígor Andrade disse...

O que seria do poeta sem a dor, não é?
Abraço!

Monday disse...

Poesia e dor deveriam manter distância ... a beleza do poema tem muito mais a ver com sorrisos ...

Branca disse...

Amo poesias... voltarei outras vezes!!!

Branca.

Dallas Diego disse...

Oiex!!

Passa lá no Escritos, tem um presente pra você!!

BjsS!