Páginas

domingo, 19 de abril de 2009

Afetos fragmentados


"[...] Sempre tive a sensação de mal-estar no mundo, uma sensação de não caber no meu espaço, um desconforto diante de meus pares – eu me pergunto: tenho pares? Eu sabia que em mim há uma mulher que tento esconder ferozmente. Tenho medo que as pessoas identifiquem meus excessos, essa quantidade absurda de pernas e braços que camuflo sob a roupa que visto. O que diriam se soubessem das muitas que vivem em mim e tentam bravamente, numa luta corporal, projetar-se do meu corpo? Tomariam-me por uma aberração?[...]"

[Clarice Lispector]

3 comentários:

Marianna Neves disse...

Oi, Oi!! Que bom voltar por aqui...
O que diriam se soubessem das muitas que vivem em vc?? Bom... eu diria que vc é normal. Quem não tem vários de si internamente? Não somos um só. =D

Um ótimo domingo.
Bjos.

Michel disse...

Consegui sentir o horror de se deparar com uma aberração dessas, mesmo desconfiando que talvez também seja uma... "Tenho medo que as pessoas identifiquem meus excessos", lembrei do seu depoimento para mim que dizia sobre excessos e faltas... E pensei o quanto tememos que as pessoas notem tb nossas faltas. Nossos braços e pernas amputados...

Beijos Pequena Poetiza!

willa Albuquerque disse...

É que é tão ridiculo o mundo que temos. As pessoas precisam não ter nada no corpo para ser alguém. Tem que seguir o padrão dos outros e não os seus para se sentir bem..
Sei lá. O mundo se padronizou e nos junto com ele...

Beijos!^^