Páginas

quinta-feira, 6 de maio de 2010

SOBRE NOSSO JOGO

Sem muitas delongas. Sem grandes pedidos. Sem muitos pesares. Digo que abandono o jogo, porque não trato o amor como sorte ou azar. Não vim aqui pra ganhar ou perder. Ter ou não ter. Queria compartilhar com você a minha vida. Mas está sempre de partida. E em nossas partidas sou sempre eu que fico partida. Fico com aquela sensação de jogadora em nocaute. E quando você volta pra mais um de nossos jogos, finjo que dessa vez eu vou ganhar. A única coisa que ganho são migalhas de tempo com você. Não quero ser nem jogadora nem mendiga de amor. Restos? O amor é mais que sobras. Você janta com ela e eu fico com o que sobrou. Isso quando sobra algo dos jantares. Quantas vezes tivemos que desmarcar nossos encontros porque nem sobras você teria pra mim?! Me retiro de campo nem como ganhadora, nem como perdedora. Mas como eu. Com a parte de mim que queria compartilhar com você. A tomo de volta ferida e lascada, mas a se recompor. Tua presença-ausência tem sido mais nociva do que tua falta por completo. Porque não é tua falta que machuca, mas a esperança ilusória de que você é uma parte minha também. Somos cartas de baralho perdidas em outros jogos. Jogos incompletos. O fim nunca é o fim porque a gente termina antes de acabar o segundo tempo. Faltam regras e condições em nossos jogos. E ao invés de discutirmos sobre elas deixamos como está e nos viramos pra seguir a vida até a próxima partida. Então agora imponho algumas regras pro jogo que você quer jogar. Primeiro não tratar nossa relação como um jogo. Segundo nesse (não)jogo eu só jogo de dois, eu-você e mais ninguém. Terceiro nossa partida não tem hora pra acabar, porque aqui não importa ganhar ou perder, mas estarmos juntos de verdade. Coisa que nunca estivemos. Quero um amor sem hora marcada na agenda.

5 comentários:

Mariana Amorim disse...

Está ficando maravilhoso seu conto.
Amando
beijos

P.S: Moramos na mesma cidade. hehe

(marta selva) disse...

nossa, muito lindo. muito mesmo.

estás cada vez mais..latente e exposta.


ah. da uma olhadinha no meu blog novo...eu nao acabei com o outro nao..eh so q sao propostas diferentes... olha..^^
http://diadelivro.blogspot.com/

;*

mary disse...

Incrível como consigo te ver nas linhas que você escreve.
Você transborda.
Belíssima escrita!
Bjss

Mikaele Tavares disse...

Lindo o texto e me lembrou a letra da música "Maior abandonado" de Cazuza

Tamára Roots disse...

nossa, que lindo. muito lindo.

e como sempre, identifico-me com tuas palavras.

hj eu tb abandonei o jogo.