Páginas

domingo, 29 de agosto de 2010

DAS PALAVRAS QUE ESCREVO


Tô repetindo pra ver se o sentimento vai embora com as palavras. Escrevo o sentimento pra arrancar ele de mim. Raiva. Adeus. Rancor. Medo. Adeus. Lágrima. Desconfiança. Adeus. Ai Deus! Tem palavra que ainda não consigo escrever não. Tá difícil de arrancar daqui do peito, sabe?! Tem palavra que ainda tenho que inventar. Mas também num quero inventar ainda não. Tem coisa que ainda quero que fique. O nome dele eu não digo não. No dia que eu disser é porque já foi. O nome dele eu não escrevo não. E repito que não faço pra não fazer. Não quero dizer cedo demais. E vou escrever pouco que é pra não escrever palavra que não quero que saia de mim.







"Toda vez que te matava em cada palavra semeada, também aos poucos e a cada vez morria em mim algo que eu já não sabia o que era."

(A última palavra - Carlos Eduardo Leal)

4 comentários:

mais amor, por favor. disse...

Estou borbulhando em afetos. Ai essas tuas palavras que me tocam não sei onde guria. Me encantam.
Beijo grande, paz!

Fernanda Ventorim disse...

Esse rancor, raiva, tristeza, são sentimentos que só fazem o mal. Todas nós passamos por isso um dia. Mas não podemos nos abater, temos que mostrá-los que nós mulheres somos muito mais do que eles imaginam.

(marta silva) disse...

tem certas palavras que nao foram feitas para serem ditas em voz alta.

;*

Hélio Netho; disse...

ouvi bem baixinho a cassia eller cantando:

- palavras apenas, palavras pequenas...